sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Assaí compra 71 pontos do Extra que deixa segmento de hipermercados

Fim dos hipermercados Extra. Essas 71 lojas vendem cerca de R$ 8,5 bilhões ao ano, mas, após a transformação em Assaí, elas devem vender ao ano cerca de R$ 25 bilhões, conforme projeções; ideia do GPA é focar apenas em supermercados


O Grupo Pão de Açúcar desistiu de operar com modelo de hipermercados no Brasil e, do total de 103 pontos do Extra, 71 devem ser transformados em lojas da rede de atacarejo Assaí e 28 em supermercados Pão de Açúcar e Mercado Extra — metade para cada bandeira. Quatro lojas restantes devem ser vendidas no mercado.

A decisão amadureceu após a separação do Assaí do GPA, concluída em março. O Valor apurou que as discussões em torno do assunto partiram do GPA no Brasil. O grupo passou a buscar interessados em suas lojas de hipermercado, e esteve em contanto com diferentes redes nos últimos meses. Ocorre que, nas negociações com o Assaí, o acordo evoluiu para a venda dessas 71.

““O hipermercado tem um desafio monstruoso, dado a expansão do atacarejo. Ele já está com mais de 35% de participação de mercado no alimentar, e tinha entre 15% e 20% poucos anos atrás. Estimamos que, no prazo de 5 a 6 anos, o atacarejo deve somar mais 500 a 600 lojas no país. Ele é o novo hipermercado brasileiro. Nesse cenário, nós tínhamos a opção de ir reduzindo a base de hiper aos poucos, depois da série de reestruturações que já havíamos tentado, mas decidimos fazer isso de forma mais substantiva”, disse Jorge Faiçal, presidente do GPA, em entrevista.


Foco no Pão de Açúcar e no e-commerce

“Vamos focar nossos recursos e esforços, agora, especialmente no Pão de Açúcar e no digital. Do total de R$ 5,2 bilhões [com a venda das lojas ao Assaí], cerca de R$ 1,2 bilhão irão para expansão do Pão, para o digital, para conversões e reforçar 185 lojas do grupo”, disse ele. O restante dos recursos deve ser usado para desalavancagem do GPA, pagamento de dividendos do possível lucro da transação e aceleração dos negócios da empresa.

O GPA já vem, pelo menos desde 2016, de reestruturações de seus modelo de hipermercado, com ações mais agressivas em preços, e, inclusive, utilização de ações comerciais semelhantes às do atacarejo. Com essa decisão anunciada nesta quinta-feira (14), o Carrefour deve se manter como a principal operação de hipermercados nacional do país.


O modelo de lojas grandes de alimentos sofre dificuldades há anos, e até teve alguma melhora durante a pandemia, mas os números mostram nova desaceleração neste ano. Até o fim do ano, o Extra continua a operar normalmente e as migrações devem começar a ocorrer no início de 2022.

A operação de venda dos 71 pontos do Extra somou R$ 5,2 bilhões, segundo memorando de entendimento, dos quais R$ 4 bilhões deverão ser pagos pelo Assaí ao GPA, de forma parcelada, entre dezembro de 2021 e janeiro de 2024. Adicionalmente, o GPA assinou outro memorando com um fundo imobiliário vinculado à empresa SuccesPar para vender, ao preço de R$ 1,2 bilhão, 17 ativos onde estão pontos do Extra e, posteriormente, locá-los ao Assaí por 20 anos, renováveis por mais 20 anos.
O projeto foi aprovado no conselho de administração do GPA e do Assaí só com votos dos membros independentes, sem que o controlador Casino votasse.
No caso do Assaí, a transação ocorre dentro de um plano de acelerar novas aberturas de unidades de atacarejo — operação que mais cresce no varejo alimentar hoje.

“São pontos muito bem localizados, em áreas de regiões metropolitanas, sendo que 40% delas estão em São Paulo”, disse Belmiro Gomes, CEO do Assaí. “Entendemos que é uma migração de pontos que deve durar de seis a sete meses a partir do começo de 2022.”


Para se ter uma ideia dessa transação, o Assaí abriu 150 lojas nos últimos dez anos, sendo 25 conversões de unidades do Extra — logo, os 71 pontos equivalem a quase três vezes esse número de conversões. Unidades convertidas do Extra em Assaí tendem a atingir margem ebitda, que mede lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação, de 1 a 1,5 ponto acima da média.


Essas 71 lojas vendem de R$ 8,5 bilhões a R$ 9 bilhões ao ano, mas, após a transformação em Assaí, elas devem vender ao ano cerca de R$ 25 bilhões ao atingir um estágio mais maduro, normalmente em seu segundo ano de operação.
Os pontos negociados são ocupados pela rede Extra, mas os ativos imobiliários (que incluem terreno e construção) têm donos diferentes. Dentro dessa cesta de 71 pontos, há 17 ativos imobiliários de propriedade do GPA e os outros pertencem a investidores pessoas físicas e pessoas jurídicas, como a Península Participações, empresa de investimentos de Abilio Diniz.
“A transação foi concebida sob um racional claro, do ponto de vista de negócios e financeiro, para as duas companhias, com potencial de significativa criação de valor para os seus respectivos acionistas”, disse em fato relevante o GPA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário