sexta-feira, 15 de outubro de 2021

Itaguaí sediou primeiro debate de utilização do Fundo Soberano que trará investimentos para a economia do Estado

 



DEBATE TEVE COMO FOCO AS POTENCIALIDADES ECONÔMICAS DO GÁS NATURAL E DA INDÚSTRIA NAVAL EM ITAGUAÍ . Evento, que vai percorrer o estado, reuniu parlamentares, acadêmicos, entidades de classe e autoridades locais para acolher propostas para o desenvolvimento

Itaguaí - Incentivo ao maior aproveitamento do gás natural e fortalecimento da indústria naval foram apontados como principais estratégias para o desenvolvimento, no debate sobre o Fundo Soberano que a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) promoveu nesta sexta-feira (15/10), na Câmara Municipal de Itaguaí. Esta foi a primeira reunião realizada para apresentar aos municípios a Emenda Constitucional 86/21, aprovada pelo Parlamento fluminense para criar uma poupança de recursos excedentes das receitas da exploração do petróleo, que poderá ser usada para financiar investimentos futuros no estado.

O evento contou com a presença do presidente da Alerj, deputado André Ceciliano (PT), dos prefeitos de Itaguaí, Rubem Vieira de Souza; de Seropédica, Professor Lucas; dos presidentes das Câmaras de Vereadores de Itaguaí, Gil Torres (PSL); e de Seropédica, Hugo Pereira (Patriota); além dos deputados Marcelo Dino (PSL) e Waldeck Carneiro (PT); dirigentes de entidades de classe e acadêmicos.


Presidente da Alerj deputado André Ceciliano do PT explicou a criação do fundo






O saldo da nossa primeira experiência nessa discussão foi muito positivo. Vamos levar o debate a todo o estado. Começamos por Itaguaí devido à cidade e toda região terem um potencial imenso. Há portos e o Arco Metropolitano ligando toda a Região Metropolitana. Também há o polo industrial de Santa Cruz nas proximidades. Então, não resta dúvidas de que atraindo investimentos para a região, vamos atrair investimentos para a Baixada Fluminense como um todo, além de aumentar a oferta de emprego e melhoria da qualidade de vida da população do estado”, declarou Ceciliano.

A construção de uma rota de dutos que traga o gás natural do pré-sal até a região de Itaguaí, na Baixada Fluminense foi apontada como projeto de grande relevância para dinamizar a economia, diversificando a estrutura produtiva e gerando empregos tanto da região como de todo o estado. A proposta é de que os recursos do fundo possam contribuir para o financiamento da Rota 4b, gasoduto que traria o gás do Campo de Bacalhau, na Bacia de Santos, para Itaguaí, na Baixada Fluminense, podendo incrementar a oferta do insumo em pelo menos 20 milhões de metros cúbicos diários.

O coordenador presidente da Assessoria Fiscal da Alerj, economista Mauro Osório, ressaltou que 55% do gás produzido no pré-sal é reinjetado nos poços. Ele destacou o potencial desse setor.
Com a criação de um gasoduto até Itaguaí, podemos industrializar boa parte da região, com a criação de siderúrgicas e termelétricas. Esse deve ser um compromisso da Petrobras e de todos os governos. A Baixada Fluminense precisa de desenvolvimento e emprego, sendo necessário investir nessa área da periferia metropolitana que sempre teve muitos problemas”, destacou.

O prefeito de Itaguaí, Rubem Vieira destacou a necessidade do incremento das atividades dos setor naval, lembrando que a cidade sedia o estaleiro que está construindo submarinos para a Marinha do Brasil.
A nossa cidade é a única do Brasil que constrói submarinos, nossos portos respondem por 85% das saídas de minérios do estado do Rio. Itaguaí passou por duros momentos, mas acredito que o Fundo Soberano possa ser um marco dessa virada de página”, afirmou.







O diretor administrativo da Itaguaí Construções Navais (ICM), Francisco Matos Lima, ressaltou a necessidade de se investir na chamada “economia do mar”. Ele falou sobre o projeto do cluster regional que já tem interesse de 87 novas empresas e 57 propostas de projetos.
Criamos o polo do mar da Baía de Sepetiba, que conta com universidades, governo e empresas. O objetivo é gerar sinergia e atrair negócios. Um dos nossos objetivos é realizar o submarino nuclear e criar cada vez mais navios de superfície. Temos potencial e precisamos de investimentos”, destacou.


O prefeito de Seropédica, Professor Lucas, destacou a importância da iniciativa dos debates, bem como do uso da verba visando a economia das cidades. 





O presidente da Câmara de Itaguaí e anfitrião do evento, o vereador Gil Torres, destacou a não participação de Itaguaí e Mangaratiba nos debates referentes a exploração de petróleo do pré-sal e possíveis impactos dessa exploração para as cidades. Ressaltou que ambas as cidades entre as Baías da Guanabara e a Baía de Angra dos Reis, onde ocorrerão as extrações. Gil relatou inclusive  que enviou ofício ao Ibama, ao Ministério Público Federal e ao Consulado da Noruega para que tomassem ciência da situação. Por fim pediu apoio do presidente da Alerj na intermediação da questão. 






Fundo Soberano, passaporte para o futuro

Sempre que houver aumento na arrecadação prevista para os royalties e participações especiais do petróleo e gás, 30% da variação positiva será depositada no Fundo Soberano. Ele também será composto por 50% de todas as multas aplicadas às empresas que fazem a extração na costa do nosso estado.

A estimativa é que, na virada do ano, já sejam aportados R$ 2 bilhões. Um Projeto de Lei Complementar (PLC) para regulamentar a medida deverá ser votado até início de novembro, de acordo com informações de Ceciliano. A ideia do Fundo é ser uma poupança para momentos de crise, como a que o Rio viveu, em 2016, e também um fundo de investimentos, como existe nos países que são grandes produtores de petróleo, como Noruega, Canadá e Emirados Árabes Unidos.

Investimento em Educação, Ciências e Tecnologia

O reitor do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), Rafael Almada, disse que é preciso investir em Educação e na formação de profissionais. “É fundamental aumentar as potencialidades econômicas com o Fundo Soberano, mas também é necessário investir na base. Não adianta ter atividade econômica sem que haja profissional habilitado ao trabalho. O estado só vai conseguir mão de obra técnica especializada com o investimento em educação”, ressaltou.

Já o professor de economia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), Joilson de Assis Cabral, destacou que os entes governamentais do Estado devem lutar para garantir uma distribuição mais justa de royalties para o Rio. “A lei da partilha está judicializada e é muito prejudicial ao estado. Além de trazer novos investimentos econômicos e sociais, precisamos garantir avanços políticos”, afirmou.
O presidente da Alerj concordou com o economista:
Precisamos fazer um lobby em defesa do nosso Estado. Nós não somos perdulários, como muitos pregam. Se não houver mudança nas divisões de royalties, nosso estado vai quebrar. É fundamental uma articulação entre nossa bancada federal no Senado e na Câmara”, disse.
Ele também reafirmou a necessidade de investimento na formação acadêmica e na pesquisa científica, destacando a proposta de fazer da UFRRJ um polo educacional para toda a Baixada. “Queremos transformar a Rural na Universidade da Baixada Fluminense, comparativamente, seria a nossa Unicamp. Os investimentos em infraestrutura e educação são imprescindíveis”, concluiu.





O próximo debate ocorrerá em Campos dos Goytacazes, para tratar da Região Norte Fluminense, no dia 28 de outubro.

Assaí compra 71 pontos do Extra que deixa segmento de hipermercados

Fim dos hipermercados Extra. Essas 71 lojas vendem cerca de R$ 8,5 bilhões ao ano, mas, após a transformação em Assaí, elas devem vender ao ano cerca de R$ 25 bilhões, conforme projeções; ideia do GPA é focar apenas em supermercados


O Grupo Pão de Açúcar desistiu de operar com modelo de hipermercados no Brasil e, do total de 103 pontos do Extra, 71 devem ser transformados em lojas da rede de atacarejo Assaí e 28 em supermercados Pão de Açúcar e Mercado Extra — metade para cada bandeira. Quatro lojas restantes devem ser vendidas no mercado.

A decisão amadureceu após a separação do Assaí do GPA, concluída em março. O Valor apurou que as discussões em torno do assunto partiram do GPA no Brasil. O grupo passou a buscar interessados em suas lojas de hipermercado, e esteve em contanto com diferentes redes nos últimos meses. Ocorre que, nas negociações com o Assaí, o acordo evoluiu para a venda dessas 71.

““O hipermercado tem um desafio monstruoso, dado a expansão do atacarejo. Ele já está com mais de 35% de participação de mercado no alimentar, e tinha entre 15% e 20% poucos anos atrás. Estimamos que, no prazo de 5 a 6 anos, o atacarejo deve somar mais 500 a 600 lojas no país. Ele é o novo hipermercado brasileiro. Nesse cenário, nós tínhamos a opção de ir reduzindo a base de hiper aos poucos, depois da série de reestruturações que já havíamos tentado, mas decidimos fazer isso de forma mais substantiva”, disse Jorge Faiçal, presidente do GPA, em entrevista.


Foco no Pão de Açúcar e no e-commerce

“Vamos focar nossos recursos e esforços, agora, especialmente no Pão de Açúcar e no digital. Do total de R$ 5,2 bilhões [com a venda das lojas ao Assaí], cerca de R$ 1,2 bilhão irão para expansão do Pão, para o digital, para conversões e reforçar 185 lojas do grupo”, disse ele. O restante dos recursos deve ser usado para desalavancagem do GPA, pagamento de dividendos do possível lucro da transação e aceleração dos negócios da empresa.

O GPA já vem, pelo menos desde 2016, de reestruturações de seus modelo de hipermercado, com ações mais agressivas em preços, e, inclusive, utilização de ações comerciais semelhantes às do atacarejo. Com essa decisão anunciada nesta quinta-feira (14), o Carrefour deve se manter como a principal operação de hipermercados nacional do país.


O modelo de lojas grandes de alimentos sofre dificuldades há anos, e até teve alguma melhora durante a pandemia, mas os números mostram nova desaceleração neste ano. Até o fim do ano, o Extra continua a operar normalmente e as migrações devem começar a ocorrer no início de 2022.

A operação de venda dos 71 pontos do Extra somou R$ 5,2 bilhões, segundo memorando de entendimento, dos quais R$ 4 bilhões deverão ser pagos pelo Assaí ao GPA, de forma parcelada, entre dezembro de 2021 e janeiro de 2024. Adicionalmente, o GPA assinou outro memorando com um fundo imobiliário vinculado à empresa SuccesPar para vender, ao preço de R$ 1,2 bilhão, 17 ativos onde estão pontos do Extra e, posteriormente, locá-los ao Assaí por 20 anos, renováveis por mais 20 anos.
O projeto foi aprovado no conselho de administração do GPA e do Assaí só com votos dos membros independentes, sem que o controlador Casino votasse.
No caso do Assaí, a transação ocorre dentro de um plano de acelerar novas aberturas de unidades de atacarejo — operação que mais cresce no varejo alimentar hoje.

“São pontos muito bem localizados, em áreas de regiões metropolitanas, sendo que 40% delas estão em São Paulo”, disse Belmiro Gomes, CEO do Assaí. “Entendemos que é uma migração de pontos que deve durar de seis a sete meses a partir do começo de 2022.”


Para se ter uma ideia dessa transação, o Assaí abriu 150 lojas nos últimos dez anos, sendo 25 conversões de unidades do Extra — logo, os 71 pontos equivalem a quase três vezes esse número de conversões. Unidades convertidas do Extra em Assaí tendem a atingir margem ebitda, que mede lucro antes de juros, impostos, amortização e depreciação, de 1 a 1,5 ponto acima da média.


Essas 71 lojas vendem de R$ 8,5 bilhões a R$ 9 bilhões ao ano, mas, após a transformação em Assaí, elas devem vender ao ano cerca de R$ 25 bilhões ao atingir um estágio mais maduro, normalmente em seu segundo ano de operação.
Os pontos negociados são ocupados pela rede Extra, mas os ativos imobiliários (que incluem terreno e construção) têm donos diferentes. Dentro dessa cesta de 71 pontos, há 17 ativos imobiliários de propriedade do GPA e os outros pertencem a investidores pessoas físicas e pessoas jurídicas, como a Península Participações, empresa de investimentos de Abilio Diniz.
“A transação foi concebida sob um racional claro, do ponto de vista de negócios e financeiro, para as duas companhias, com potencial de significativa criação de valor para os seus respectivos acionistas”, disse em fato relevante o GPA.

Vídeo - Mulheres brigam em ônibus porcausa de homem

 Caso ocorreu em Rio Branco, no Acre





Uma briga envolvendo duas mulheres e um homem aconteceu dentro de um ônibus coletivo. A confusão foi gravada e as imagens compartilhadas nas redes sociais. A briga teria sido no último final de semana em um ônibus que faz a linha da Cidade do Povo, em Rio Branco no Acre.

No vídeo cedido ao Boca no Trombone Itaguaí é possível ver as mulheres se agredindo e o homem no meio tentando apartar as duas. As demais pessoas que estavam no ônibus relataram na internet que o motivo teria sido ciúmes.





“Como sempre né, duas mulheres brigando por causa de um macho. Essas mulheres não se respeitam”, comentou uma senhora. Veja o vídeo:





https://youtube.com/shorts/bY7UQRI57W0?feature=share

quarta-feira, 13 de outubro de 2021

Câmara aprova texto-base de projeto que muda regras do ICMS sobre os combustíveis


Maior desculpa de Bolsonaro sobre aumento dos combustíveis pode estar com os dias contados. ICMS sobre os combustíveis sempre teve o mesmo percentual desde a sua criação e a arrecadação nos estados reflete em retorno para áreas da saúde e educação. Presidente sempre culpou governadores mesmo sabendo que aumentos são por conta da alta do Dólar em comparação com o Real. O que indica uma má gestão econômica do País. 

Estados terão autonomia para definir alíquotas, mas cálculo levará em conta preço médio dos dois anos anteriores. Lira diz que preço da gasolina pode cair até 8%.

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (13) o texto-base de um projeto que muda o cálculo da tributação sobre os combustíveis. A proposta determina que o ICMS cobrado em cada estado será calculado com base no preço médio dos combustíveis nos dois anos anteriores.

Para a conclusão da matéria, os parlamentares ainda precisam analisar os destaques, que são sugestões pontuais de alteração no texto principal. Em seguida, a matéria irá para o Senado.

Hoje, o ICMS aplicado nos combustíveis tem como referência o preço médio da gasolina, do diesel e do etanol nos 15 dias anteriores em cada estado. Ou seja, a cada 15 dias, a base de cálculo muda – e passa a incluir a oscilação recente no preço.

Ao ampliar esse período de referência para dois anos, os defensores da medida afirmam que seria possível reduzir a volatilidade nos preços cobrados nos postos.

De acordo com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) – apoiador do texto –, a mudança permitirá a redução do preço da gasolina em 8%; do etanol em 7%; e do diesel em 3,7%. 

Pela proposta, estados têm autonomia para definir, anualmente, suas próprias alíquotas, desde que elas não ultrapassem, em reais por litro, o valor da média dos preços "usualmente praticados no mercado" nos últimos dois anos. O valor desse tributo deve vigorar por 12 meses.

Se o texto virar lei, o primeiro reajuste feito pelos estados deverá considerar o preço médio praticado entre janeiro de 2019 e dezembro de 2020.

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG) disse que a Casa terá "boa vontade" para analisar e, eventualmente, "aprimorar" a proposta quando a votação for concluída na Câmara.

"Nós todos comungamos da tese de que temos que estabilizar o preço dos combustíveis e tornar o preço um preço que seja palatável para o país. Não tem como desenvolver o país com o combustível com esse preço hoje no Brasil", declarou.

Governadores de 20 estados dizem em nota que alta do preço da gasolina é 'problema nacional'

Por que o preço da gasolina não para de aumentar?

Leia a matéria completa do G1

Feirão vai oferecer mais de mil vagas de emprego no Rio na quinta-feira; inscrições já estão abertas para quem quiser participar


A partir da próxima quinta-feira (dia 14), a Comunidade Católica Gerando Vidas realizará um feirão de empregos, no Engenho de Dentro, na Zona Norte do Rio. Ao todo, serão oferecidas 1.118 vagas em diversas áreas, incluindo postos de trabalho para auxiliar de serviços gerais, operador de caixa, estoquista e atendente de loja. As inscrições, que foram abertas nesta terça-feira, poderão ser feitas pela página da Comunidade no Facebook até a tarde desta quarta-feira.

A oferta de vagas do feirão — que vai terminar na sexta-feira (dia 15) — será dividida em dois dias de evento: 718 serão oferecidas na quinta-feira, e outras 400 no último dia. No momento do agendamento, que é obrigatório, o candidato vai receber todas as informações por e-mail, incluindo o local, a documentação necessária e as áreas com mais oportunidades.

— Tivemos que organizar este agendamento obrigatório, porque antes da pandemia a gente já tinha uma fila muito grande. Agora, com o desemprego em alta, seria catastrófico. Depois do agendamento, nós vamos chamar os primeiros inscritos, respeitando sempre a ordem de cadastro. A ideia de divulgar o local somente para quem fez o agendamento é para evitar que quem não o fez também compareça, porque pode prejudicar outras pessoas e seria injusto — afirmou Paulo Vasconcelos, coordenador da Comunidade Católica Gerando Vidas.


Além de levar o currículo atualizado, os candidatos precisam ter ensino fundamental ou médio para concorrer às oportunidades.

Com Extra

terça-feira, 12 de outubro de 2021

Concurso em Itaguaí poderá ser retomado em breve


Novas inscrições poderão ser aceitas e quem já se inscreveu tem garantida a realização do certame sem qualquer prejuízo. 

Ao todo são 754 vagas para cargos de ensino fundamental, médio e superior. Não há qualquer definição de datas. Último concurso na cidade ocorreu em 2011.



A Fundação Ceperj (organizadora) informou que iniciou as tratativas com a Prefeitura de Itaguaí, na Baixada Fluminense, para a retomada do concurso que visa ao preenchimento de 754 vagas em diversos cargos dos níveis fundamental, médio e superior. A seleção está paralisada desde abril do ano passado, em função da pandemia do novo coronavírus.

Segundo uma fonte da prefeitura, ao retomar o concurso Itaguaí-RJ, as inscrições deverão ser reabertas. Caso isso aconteça, elas serão aceitas por meio do site da Fundação Ceperj e em posto de atendimento em Itaguaí.

As taxas são R$60 para cargos do nível fundamental, R$80 para os dos níveis médio e médio/técnico, R$90 para os de nível superior da área de Educação e R$120 para os de nível superior da área de Administração.

As remunerações do concurso Itaguaí-RJ variam de R$1.002,94 a R$16.171,50, com cargas de trabalho que podem ser de 20h, 25h, 30h e 40 horas semanais. As funções de professor 4 em suas diferentes áreas tem carga de trabalho de 16h/aula semanais.



Oportunidades em diversos cargos

A maior oferta do concurso Itaguaí-RJ é para a função de professor de 1 - Educação Infantil ao 5º ano, que contabiliza 424 vagas. Para concorrer ao cargo é preciso ter ensino médio concluído e formação de professores séries iniciais ou formação normal superior/Pedagogia das séries iniciais.

No nível fundamental, há vagas para almoxarife, auxiliar de educação infantil, auxiliar de serviços escolares, cozinheiro e inspetor de alunos. Para o nível médio as oportunidades são para agente de trânsito, agente fiscal de tributos, fiscal de meio ambiente, fiscal de obras, fiscal de serviços concedidos, guarda municipal e secretário escolar.

Para o médio/técnico, oferece vagas para técnico de segurança do trabalho. No nível superior, as chances são para advogado, arquiteto, engenheiro civil, orientador educacional, supervisor educacional e professor nas seguintes áreas:  Artes; Ciências Físicas e Biológicas; Educação Física; Geografia; História; Letras/Língua Portuguesa; Língua Inglesa; e Matemática.

Todos os candidatos serão avaliados por meio de provas objetivas, que terão 30 questões para os candidatos a cargos de nível fundamental, 40 para os de níveis médio e médio/técnico e 50 para os de nível superior.

Quem ja se inscreveu já está automaticamente na disputa das vagas 

O concurso Itaguaí-RJ, que já tem 53 mil inscritos, contará ainda com prova prática para cozinheiro, teste de aptidão física para guarda municipal e avaliação de títulos (a serem entregues no dia da prova objetiva) para todos os cargos de nível superior. As possíveis novas inscrições assim que reabertas, acrescentarão em nova chance para àqueles que não se inscreveram anteriormente. 

Fonte : Folha Dirigida

segunda-feira, 11 de outubro de 2021

Fiocruz seleciona voluntários para testar novo remédio para prevenção da Covid-19; saiba como participar


Molnupiravir é produzido pela farmacêutica MSD e está na fase final de testes para comprovar sua eficácia. Voluntários precisam morar com alguém que testou positivo para a doença nas últimas 72 horas.


A Fiocruz começa a realizar, a partir desta segunda-feira (11), um estudo com um medicamento que pode ser mais uma arma contra a covid-19. Ele não substitui a vacina, mas, se aprovado, vai ajudar na prevenção da doença.

Para realizar o estudo, a Fiocruz abriu inscrições para que voluntários possam testar o novo medicamento promissor. Esta é a chamada fase 3 da pesquisa, uma importante etapa que vai avaliar como a substância age no corpo humano.

O medicamento em estudo é chamado de molnupiravir, um antiviral que pode evitar a replicação do coronavírus no organismo. Os estudos feitos até agora indicam que a substância impede o desenvolvimento da doença.

“Os resultados com esse antiviral usado anteriormente para tratamento de casos foram muito animadores. Então, por isso, nós estamos muito confiantes que ele possa ser usado como profilaxia de doença”, disse a médica infectologista Dra. Margareth Dalcomo, que é uma das coordenadoras do estudo.

Os resultados do estudo desenvolvido pela Fiocruz devem ser apresentados em seis meses. A fundação é responsável por dois dos sete centros de pesquisa do Brasil que fazem a pesquisa com o medicamento da farmacêutica MSD.

A ideia é acompanhar 30 voluntários, que serão divididos em dois grupos. Um grupo tomará o medicamento, o outro irá receber um placebo (medicamento sem qualquer principio ativo, ou seja, sem eficácia).

Saiba como participar do estudo

O objetivo do estudo é avaliar o uso de molnupiravir como profilaxia pós-exposição por pessoas que foram expostas ao vírus, ou seja, que residem com uma pessoa que testou positivo para covid-19 nas últimas 72 horas e estão sem apresentar sintomas associados à doença.

O tratamento consiste no uso do medicamento, por via oral, duas vezes ao dia, durante cinco dias consecutivos.

Para poder se candidatar, é necessário:

ter, no mínimo, 18 anos de idade;

não ter tomado a vacina contra covid-19 ou ter recebido apenas uma dose do imunizante nos últimos 6 dias;

morar com alguém que testou positivo para covid-19 nas últimas 72 horas e apresenta pelo menos um sintoma da doença como febre, tosse ou perda do paladar ou do olfato;

não estar hospitalizado.

Os interessados em ser voluntários no estudo da Fiocruz podem acessar a página da farmacêutica MSD (www.msd.com.br/estudo013/) ou entrar em contato, entre as 8h e as 17h, com as coordenadoras de estudo por meio dos telefones (021) 97347-0389, (021) 2448-6879 ou 2448-6846.

Matéria do G1 / Rede Globo

quinta-feira, 7 de outubro de 2021

Vídeo flagra crocodilo gigante devorando um menor que ele, de 2 metros; assista





Um vídeo que flagrou o momento em que um crocodilo gigante devora um menor que ele no condado de Horry, no estado da Carolina do Sul, nos EUA, foi publicado no Twitter na última sexta-feira, dia 30, e vem impressionando internautas. Responsável pela postagem, o norte-americano Taylor Soper afirma que o animal devorado media cerca de 2 metros de comprimento. Crocodilos podem chegar a ter 5 metros.


"Isso aconteceu no quintal dos meus pais hoje. O lanche é um crocodilo de 6fts (cerca de 2 metros)", escreveu o jovem.


Assista no link abaixo:

https://youtu.be/zfY8ilGUlhA


Na rede social, Soper declarou que esta não é a primeira vez em que flagram o predador devorando outros animais menores na região. Ele ainda diz que no fim de semana anterior havia visto uma situação parecida, mas que dessa vez os moradores ficaram chocados por estar acontecendo novamente em pouco tempo.


"O que é muito legal é que vimos aquele que está sendo comido neste vídeo comer um bebezinho no fim de semana passado, então há alguma loucura acontecendo lá", comentou com um seguidor.

quarta-feira, 6 de outubro de 2021

Abertas as inscrições para cursos de teclado, bateria e baixo em Itaguaí


As aulas são gratuitas. Saiba como se inscrever:


A Prefeitura Municipal de Itaguaí, através da Secretaria Municipal de Educação e Cultura, iniciou nesta quarta-feira 6, as inscrições para os cursos de “teclado, bateria e baixo”.

Para se inscrever o candidato (a) deve comparecer na E. M. de Música Chiquinha Gonzaga, localizada na rua Padre Cezare Vigezzi nº74, das 9h às 17h, nos dias 06, 07 e 08 de outubro.  Podem se inscrever pessoas a partir de 10 anos de idade. O responsável de adolescentes menores de idade, devem levar sua documentação de identidade e se houver também do menor. Para maiores informações deve-se procurar a sede da escola de música. 

A E. M. de Música Chiquinha Gonzaga observa o cumprimento de todos os protocolos sanitários.

Educadores ainda não receberam seus salários em Itaguaí referente a setembro


Apesar de vencimentos serem pagos até o quinto dia útil, todos estavam planejando recebimento no último dia 30, conforme ocorria nos meses anteriores. Mudança na execução de verbas oriundas do Fundeb e cadastro em sistema online foram alguns dos possíveis motivos do atraso. Demais servidores já receberam seus vencimentos na última sexta-feira 30.


Itaguaí  - Os educadores municipais de Itaguaí, que contemplam professores e demais profissionais que atuam nas unidades de ensino, estão sem receber o salário correspondente ao mês de setembro até o momento. Diferentemente do que estava ocorrendo, os profissionais de escolas não receberam seus vencimentos no último dia 30, quando os demais servidores tiveram seus salários pagos.

Nosso blog pôde apurar que o não pagamento até o presente momento se deve a mudança na forma de utilização da verba do Fundeb que não mais permite que a prefeitura faça os repasses diretamente através da conta destinada para este fim para as contas dos educadores. Agora, quem faz tal ação é o próprio Banco do Brasil e para que isso ocorresse havia a necessidade de cadastramento dos profissionais junto ao banco e de forma online. Sendo assim, uma força-tarefa na Secretaria Municipal de Educação foi criada para que esse cadastramento fosse feito. Porém, o inconstante sistema online do banco, associado que tais cadastros junto a plataforma do BB só permite atualizações durante o expediente bancário, acarretaram nessa demora além do esperado.

A verba do Fundeb é utilizada para pagar os vencimentos de professores e demais servidores da educação que atuam em escolas e creches regulares e a complementação quando necessária é feita com verba própria do município, o que também pode ocasionar de alguns educadores do grupo de apoio educacional terem recebido, enquanto a maioria ainda não.

Nosso blog enviou questionamentos a prefeitura quanto a data precisa desses pagamentos e estamos no aguardo da solução e/ou resposta. 

Cabe lembrar que os demais servidores que não trm seus vencimentos atribuídos ao Fundeb, já receberam seus vencimentos desde o dia 30 de setembro.